quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Fechando as cortinas... um recomeço

 Ano de 2010 feliz para você



Fechando as cortinas... um recomeço
  
É tempo de despedida... 2009 vai fechar as cortinas... Ficam como bagagem história de vida,  aprendizado, mais sabedoria... mesmo indo embora. É o recomeço. Foram  tantos acontecimentos, alegrias, surpresas, dissabores... Mesmo assim, vamos nos despedir sem dores, de alma nua, desprovida de mágoas e rancores. De que valem as dores senão para 'emancipar' nosso espírito? No último dia, o amanhecer de 2010 que Deus fará para nós, será uma dádiva.

Veja com bons olhos as folhas secas, as fotos amareladas e faça um novo plano de vida. Feche na gaveta do tempo suas amarguras e deixe que Deus lhe ofereça suas mãos tão seguras. Dê um retoque em suas fartas esperanças, comece a pensar e desejar como uma criança. Aconchegue-se a um ser querido, de coração e alma, e deixe que a voz dele o acalme. Ouça... fale. Contagie-se com esse aconchego e busque soluções, pois talvez o Criador torne esse momento inefável e o faça voar como borboletas, e amar com intensidade, sem medo de alcançar o céu, as estrelas.

Tente ser feliz. Crie oportunidades novas para que o Divino Processo da Vida fecunde sua alma com a plenitude do amor. Perdoe-se para viver em paz. Perdoar-se é conviver com a mais nítida realidade, não vivendo de ilusões de como os outros e nós deveríamos ser, imaginando e fantasiando.  Se aceite como é. Não fique preso ao desejo de dirigir os passos de alguém; cada um de nós cumpre um destino. Assim, os outros poderão admitir e aceitar como somos.

As experiências passadas são válidas, mas precisam ser adequadas às nossas necessidades da realidade presente. Não guardemos culpa. Escolhamos pelo melhor, modificando nossa conduta, reconhecendo nossos erros sem olhar para trás, dando continuidade à nossa tarefa na Terra. Isso depende de você, muito mais do que você pensa. Seja como os pássaros, que, ao pousarem, não temem o balanço dos galhos porque têm asas... e cantam. Nós temos mãos, que, seguras nas de Deus, nos permitem até voar — por que não?

Fecham-se as cortinas do ano 2009... Abro as cortinas de minha existência, vou virando as páginas de minha vida, procurando me eternizar na poesia, onde deixo rastros de meus sentimentos, pondo assim o arco-íris em meus dias, aquecendo meu coração. Com ele desenho em letras coloridas o amor, meus pensamentos, lembranças, tristezas, alegrias, e felicidade.

Comece o Ano Novo assim, como eu:

— Abrace seu coração, enlace seu espírito e beije sua alma... Em laços de esperança, amor e magia,  sintonize-se com essa energia, aperte os laços e dê um nó.

Lídia Valéria Peres



 


quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

A magia está no ar... É Natal!



 

A magia está no ar... É  Natal!

Abraço grande, amigo, forte, de quem tem motivos para inserir na tela o que não pode fazê-lo pessoalmente.

No compasso do meu dia-a-dia, deparo-me em sintonia com pessoas que não conheço pessoalmente, mas que dedilham acordes musicais de amizade, inspiração de amor, elos de encontros literários, com energias ternas do bem, doces, suaves ao visitarem o meu blog. Sei que os rastros que aqui deixam mostram mais que fotos; são pessoas amigas, solícitas e benevolentes. São todos visitantes, mas também mãos que me acariciam, me acalentam a alma e o espírito escrevendo palavras incentivadoras.

Sejam vocês, em seus caminhos, premiados com surpresas de alegrias, como vêm fazendo a uma aprendiz de poeta como eu. Enflorada de gratidão pelas visitas, palavras e considerações elogiosas, fico-lhes grata e tento controlar cristais que rolam em minha face, para lhes dizer: — Obrigada, obrigada.

Digo a cada um: neste clima natalino, deixe o Natal invadir sua alma. Seja um empreendedor e execute seus sonhos, mesmo que houver riscos. Mesmo que perca a força, deverá continuar. Se acaso estiver em um lugar sem alegria, sem luz, seja você a bússola. Tome atitudes nunca tomadas por alguém. Explore o desconhecido... e, nesse compasso, minuto a minuto, depare-se e absorva a energia do Natal e entre em sintonia com as pessoas, com o mundo...

Construa sua nova história, sem olhar para trás. Junte o que deixou em planos e projetos sem completar e faça o presente. Absorva cada instante de alegria e felicidade e torne as pessoas felizes; comece por você, sendo feliz. Felicidade é algo que oferecemos com gestos e atenções. Contagie com sua energia. Não espere um sonho acontecer nesta época natalina; vá à conquista dele.

Os maiores sucessos estão guardados dentro de nós... Não tenha medo de falhas, "pois Deus ordenou aos seus anjos que o guarde em todos os seus caminhos"...

Se acaso falhar... chore, pois do pranto com certeza virá a recompensa: a alegria de saber que pode continuar... Não recue jamais, mas, se o acaso acontecer, repense... Viva como desejar e seja feliz. Com os pés na terra, sonhe alto.

Agradeça a Deus ter conquistado amigos, mesmo que seja um...

Tudo está à sua espera, e sempre existirá uma luz para você entre tantas que brilham no Natal. Não existe escuridão no Natal... São tantas as luzes — e uma é sua, somente sua, basta acreditar. Pratique a alegria, seja poeta, falando o que vem à sua mente, até que as palavras se apoderem de sua realidade. Deixe o amor fluir. Se surprenderá com sua inspiração. Você pode fazer isso... e muito bem!

Não deixe suas emoções nas gavetas do tempo. Deixe que a lágrima que teima em rolar em sua face limpe sua timidez e transforme-se em energia. Siga o chamamento das bênçãos do Senhor do Universo para testar sua capacidade em superação, bondade e empatia... elevando o seu espírito.

Que suas energias sejam enfloradas por anjos, para que nunca sejam dispersadas, mas sim assimiladas, mais e mais... Deus dá a cada ser humano um ritmo. Dance e faça todos ao seu redor dançarem, filtrando emoções para serem felizes no tempo.




É tempo de Natal... a magia está no ar...
Não peça, agradeça, tem muito a doar. 
Não use freios em seus sonhos e fantasias...
Assim faço e é isso que me extasia.
Estou feliz, contagie-se com minha alegria.

Lídia Valéria

Feliz Natal!


É Natal, sorria!

domingo, 13 de dezembro de 2009

Nossa melodia... Uma homenagem neste Natal a meus filhos

Que o brilho das estrelas, a energia dos anjos e do Senhor do Universo sejam derramados em vocês, filhos queridos. Que a lembrança do Papai Noel tão sentida, tão bem vivida no passado os faça novamente crianças, deixando seus rostos harmoniosos, sorridentes, cheios de sonhos e de esperança. Agradeço a Deus por passarmos juntos o Natal outra vez. Deixem o Natal invadir  suas almas.
Que assim seja,  sempre.


Nossa melodia

Lembram-se?
Ouvindo nossa melodia, relembro o passado, cheia de carinho... eu e vocês. Nunca me cansei de fazer vocês felizes. Era minha meta. Incansável! Perseverante! Era tudo o que me fazia feliz, só isso... Se algo falhou... não foi por mal, foi casual... etc. e tal... Eu me doei, dei tudo de mim... mas mesmo assim, acho que fiz pouco. Talvez sempre ache que merecem mais (coisas de mãe). 

O que falta para eu dar, senão o  que me resta? O que me resta? O que tenho para doar, senão o que resta de mim? Continuem ajudando-me a florescer... Dão-me vida e quero viver mais... mesmo em tronco corroído pelas gavinhas daninhas.

 Ah, gavinhas daninhas... 'Absorveram' minha seiva, mas vocês, com amor, nutriram minhas raízes, minhas energias, meu vigor. Minha seiva... o melhor de mim... Restam-me fluidos de amor e elementos vitais para doar, porém meus caules precisam de pequenos ajustes, suportes... Lembram-se? Sempre fui tão forte! 

Minha 'messe' existiu, mas gastei pouco mais que devia... Ser de novo a mesma... uma ousadia. Gosto de sonhar, viver em sonhos e devaneios. Me amam, aceitam o que penso e consigo ser...

E essa melodia no ar?
Lembram-se? Eu, de vocês era o Norte. Emprestam-me hoje um pouco de suas messes. 'Parte' dela talvez nem lhes interesse. Amam a vida, vivem bem... Vocês podem, vocês sabem a cada dia florescer. São felizes e me fazem também. Nasceram e em mim ficou latente a raiz... Vocês... tudo o que eu sempre quis:

Filhos amados, Estela e Glauco,
minha vida em alegrias tornou-se um palco.
Mamãe Lídia Valéria 

Feliz Natal! 

 

Meus filhos:
Fontes de luz e segurança em minha vida.
Lídia Valéria




sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Esperando o Natal

Quem ama o Natal como eu, sente o tempo natalino sorrindo.
A vida nos atropela, mas valorizar a vida é sentir os bons momentos. 
O Natal é mágico!
O tempo passa, mas o Natal nos faz sentir novamente crianças.
Natal tem ar diferente, por isso, ponha no rosto um sorriso contente.
É tempo de Natal, sorria!



Esperando o Natal 

Meu lar e a magia da espera do Natal...
Emoldurada de amor, esperança,
junto a meus filhos, meus dois amores.

 Nos abraçamos e
agradecemos nossas bênçãos. 
Nos enfloramos para o aconchego
do Senhor do Universo em prece. 
Vêm a paz e a alegria de criança. 
Trocamos presentes... a gente merece...
Dos amigos, presente? Não!
Esperamos um abraço, presença sentida,
aconchego amigo, sim,
  o que emana do coração.
Se para nos agradar somente for,
ficamos felizes apenas com uma flor.

Meu eterno presente são meus filhos, 
de boa formação, estruturados.
Dou a eles de presente meu louvor
e a certeza de serem muito amados. 
De Deus quero de presente
sempre um coração agradecido
por tê-los merecido como filhos.
Assim é o meu Natal.
De mãos dadas com a paz, 
o brilho da Lua e o das estrelas no ceú,
brindamos felizes... sempre sentindo
a magia do Papai Noel,
que nos traz alegria, sonho e esperança
de um mundo pleno de amor,
fazendo-nos de novo crianças.
Para sentir tudo isso,
minha fé como penhor.

 Lídia Valéria



 É tempo de Natal, sorria!


domingo, 22 de novembro de 2009

Ressonância de um amor


Nem sempre falo de mim; falo de você que me lê, ou qualquer outro ser humano que amou,  perdeu-se nas ilusões, nos sonhos, perdeu o controle do presente. Espera resgatar o passado,  a única coisa que não conseguimos mudar.


Um dia você abre os olhos para o mundo e vê seu amor de outrora chegar, e num sorriso seu sente que  tudo parece voltar para o antigo lugar. A gente não imagina que num segundo possa a vida transformar-se.


Se o seu coração lhe diz que é tempo de ser feliz, no caminho indefinido que percorre na trajetória de sua vida, uma de suas poucas certezas é: esse amor tinha que cruzar mais uma vez o seu destino. Busque no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída. Lembre os erros que foram cometidos para que não mais se repitam, porque quem ama nunca sabe quem ama, nem sabe por que ama.


Quando o amor  lhe fizer sinal, siga, para que não prejudique sua oportunidade de escolher novos rumos, ainda que tenha dúvidas se os seus caminhos serão como sonha e espera. Se  o amor antigo for a sua escolha, chore de alegria sem medo de demonstrar. Você pode  'lapidar' esse amor, mas lembre-se: no seu interior está a resposta se vale recomeçar.

— Vale?




Ressonância de um amor
 
Atravessando a rua, te vejo...
Você me olha como se eu fosse a Lua,
com olhar fremente.
Sinto-me nua,
porque é um olhar que me perscruta...
 
Sinto-me inclusa nesse sentimento
ávido que nos consome.
Sigo em frente, mas esse sentimento
avassalador me faz parar.
Paro. Reflito. Quase grito!
 
Sinto-me atraída por esse olhar...
Está no meu coração, tatuado no meu peito.
E minh'alma dói... pois esse amor me corrói.
Vou seguir em frente... buscar minh'alma gêmea.
Quero ser feliz, o que com você não sou capaz.
 
Fugir desse sentimento fugaz...
Escancarar meu coração, meu desejo,
a quem possa trazer-me paz.
Mas esse olhar... sua presença criou raiz...
Será que consigo sem você ser feliz?
 
É sempre assim quando te vejo...
Quero fugir, mas amar você é o que almejo.
Meu coração pra você abre ala...
com seu olhar fico sem fala...
 
Vejo como um complô você e seu olhar ardente...
 Me faz sentir que meu coração mente
quando digo que não sinto falta de você. 
 
Lídia Valéria


                                                                               Tantos recordes podemos ultrapassar
 e vencer as barreiras.
E temos a esperança de acreditar no que está por vir,
e que será bom.
O que passou, passou... A vida é agora.
Para tomar decisões, reflita.
Lídia Valéria



sábado, 14 de novembro de 2009

Reflexo


Tudo o que somos é reflexo do que pensamos. Partilho com vocês um exercício extraído de meu passado. Esse exercício teve um efeito profundo em minha vida. Fiquei por muito tempo, no final de cada dia, pensando em fases que não foram como eu desejava. Visualizava as cenas como em tela de alta definição, querendo ver em detalhes os fatos, da maneira que deveriam ter acontecido. Tentava me emocionar e acreditar. Um ritual eficaz à mente: recriar o ruim em belo, a tristeza em alegria. Deletar as lembranças daqueles dias e intencionalmente criar novas imagens para o meu futuro. Mudar imagens favorece a mente.

O que você está pensando e esperando agora?


Reflexo

Entorpeci a alma de sonhos e magias...
Perdi o norte, perdi a razão.
Vivi no mundo dos sonhos e da poesia,
vivendo de recordações.
No reflexo do meu passado
vejo que o amor estava ao meu lado,
e isso ficou em meus pensamentos.
Hoje percebo que foram 
os meus mais doces momentos
de sonhos vividos a dois.
Tanto penso no amor vivido que, 
ao parar diante do espelho, a imagem 
desse amor sobrepõe-se à minha.
O reflexo de seus olhos acelera meu coração,
e, nesses momentos... me perco de mim.
Meu olhar sempre o procura,
cristais rolam em minha face
e molham meu árido chão.
Com os reflexos desse olhar
eu quis voar... voei além da imaginação.
Banhei-me de emoção tão longe desse amor
que mais uma vez me perdi de mim.
Hoje, recomeçar é o meu desejo,
o que mais quero, e, na ânsia de amá-lo, espero.
Atravesso desertos dentro de mim para
encontrar um oásis no recôndito de meu ser.
Para eu poder viver, só o seu amor me acalma.
Olho no espelho, não me vejo,
mas seus olhos, seu sorriso, que minhas pupilas refletem,
por magia, satisfazem o meu desejo.

Você, reflexo de minh'alma!

Lídia Valéria

Faça uma lista pelas quais deve ser grato e
se harmonize com as energias do Universo.
Seja grato por todas as coisas que lembre
do passado, mesmo as mais turbulentas.
Lídia Valéria




sábado, 7 de novembro de 2009

Minha voz

Muitas vezes falamos, falamos e não somos ouvidos. Temos a sensação de estarmos sozinhos, com nossas  palavras ao vento. Nem sempre somos entendidos, e torna-se difícil a caminhada. A estrada é longa e na "travessia" nem sempre nos convidam — ao contrário, deixam-nos na encruzilhada. Às vezes nos tornamos carentes.

Não podemos 'parar'; devemos continuar nossa jornada, e navegar algumas vezes a favor do vento, outras contra ele, enveredando sempre mar afora...  Mar que às vezes é ardiloso, contudo, é a garantia de uma aprendizagem mais sólida na convivência entre os seres humanos no mundo em que vivemos. 

Quando minha voz se calou, ninguém entendeu meu vazio — guardei minhas palavras, que eram traços de minh'alma. Difícil alguém saber ouvir o coração das pessoas, o interior de seu silêncio, seus sentimentos mudos, seus medos não confessados e suas queixas silenciosas... Ouvem apenas as palavras pronunciadas pela boca, não o que vai no seu interior, seus sonhos, desejos e convicções. Mister ouvir o lado inaudível das coisas,  mas que tem o seu valor, pois é o lado  real do ser humano... Seria assim o mundo mais afetuoso, teríamos mais motivação para viver, aprender, e melhor compreender — uma renovação.

Fale os anseios de seu coração ainda que a realidade lhe dê limites. Não se preocupe  se será ouvido ou não, mas sempre com coerência e convicção.

Fale baixo, calmamente. Quem fala ou grita, sempre perde a razão.
Experimente.




Minha voz 

Cantei e a essência da minha voz se calou.
Meu canto era surdo, mas minha voz sempre terna.
Meu jardim estava majestoso, florido, perfumado. 
Mas por que eu o sentia cheio de neve?
Porque não era ouvida, meu coração gelava?
Impaciente, esperava minha voz  ser percebida,
talvez por um pássaro, mesmo sendo ele inacessível.
Fazia silêncio e minha voz subia ao vento, ao relento
de bosques antigos que com sua força tomavam meu coração
e me aqueciam nessa voz que libertava minh'alma.
Esfriei minhas lágrimas de desencanto, e, sem choro nem pranto,
fortalecida, senti o vento forte que apagava a luz da lua.
Sozinha, me perdi em devaneios de corpo inteiro...
 ouvi meu coração que não precisava de bens e de glórias
para alcançar o privilégio de amor nas vitórias.
Difícil nostalgia, e para conseguir o que almejava,
me aninhei, como aprendiz, ao núcleo do tempo 
para me harmonizar com os velhos sentimentos. 
Livrei-me da utopia levando minhas mãos para o céu
e uni-me à cintilância das estrelas, ao encontro do meu ser.
Assumi a continuidade de minha consciência que continua 
através dos sonhos, em busca de sentimentos celestes,
para usufruir uma existência real às minhas querenças.
Abri as portas do meu coração e das janelas de minh'lma
e saboreei um canto novo, com sabor e perfume do passado,
que é melhor que absorver qualquer álbum de recordações.
Sou um álbum vivo e revejo as lembranças latentes adormecidas, 
para uma aceitação coerente de reconhecimento em minha vida.
Não aprisiono o hábito de ser feliz, fugindo ao abismo de sombras,
 fraquezas e frustrações, sem me agarrar às minhas decepções.
Renovo-me. Luzes clareiam o que sinto e minha sabedoria 
aumenta quando reflito. Que efeito bom me causa isso... 
Escrevo eu poemas por causa disso?
Reflito no ritmo de minha mente... Sem ela, perco meu inteiro.
O amor ficou, de conduta moral elegante, mantendo as chamas do
coração que soube o que é amar, subestimando o orgulho e a fantasia. 
Minha voz hoje alcança todas as notas musicais: 
é firme, meio rouca, mas serenamente sonora.
Atento para uma faceta pertinente, assim como o mais rico
dos talentos: a dúvida.
Hoje minha voz é percebida.
Mas por que eu sinto às vezes neve em meu jardim?

 Perdi alguma nota musical?

Lídia Valéria

Alfabetizar o coração para uma aprendizagem
esclarecedora é benificiar nossa existência, 
renovando nosso modo de sentir.
Lídia Valéria 

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Súplica

   'Republico' um post que está bem de acordo com nossa realidade no Brasil.


Súplica


Aprendi e li que o Senhor não veio a este mundo
senão para testemunhar a verdade.
Qualquer um que pertença a essa verdade escuta a Sua voz.
É dever olhar com atenção no ponto em que ameaçamos
a felicidade ou a tranqüilidade do nosso próximo...
De forma ousada e imprópria,
porém sincera, resta-nos implorar
a Deus uma explicação divina e
consoladora para o porquê
desses miseráveis interesses destruidores.
O que os faria levar para uma consideração "secundária"
e relegar essa destruição ao último plano?
O Senhor do universo, como nós,

vê as inteligências vulgares destruindo vidas...
jovens saindo da adolescência...
crianças em sua exatidão,
sem direito a crescer, ser jovem, sem direito à vida,

capacidade dada a nós por Ele.
Rendo graças a Deus e peço do fundo
de minh'alma a faculdade
de reparação das mentes dirigentes desse mal.
Devo consolar-me pensando que serão "bem-aventurados os que sofrem
perseguição, porque o reino dos céus é para eles"?
Senhor, alimente minha fé!

Estou confusa em meio a tanta perseguição e mortes.
Não falo apenas do que acontece lá fora...
Falo daqui, de meu país, o Brasil.
Devo fechar os olhos,
vedar minha audição, meu coração?
Devo fingir, Senhor, que nada se assemelha
à vida aqui, e que temos
uma existência lógica e normal,
devendo orar só pelos outros?
Senhor! E eu, e meu povo? Quem chorará por nós?
Há muito tempo espero respostas, mas
vejo apenas o povo brasileiro
violentado a cada dia.
Calo-me? Em sofreguidão, ausento-me
da verdade e junto-me
aos demais de olhos fechados, parto para alienação?
Procuro forças para a continuação
da vida, onde o mundo
passa por uma avassaladora ausência de respaldo.
Gostaria que minha súplica alcançasse a
todos que passam por um processo
de desumanização,
trapaças, mentiras, engodos,
uma verdadeira degeneração...
Aqui, como lá, também existem mortes
e violência assustadora.
O povo brasileiro está sozinho...

É povo tentando salvar o povo, sem ajuda,
sem leis superiores qualificadas para calmaria.
O mar está revolto!

Surgem as ondas e nos cobrem de desgraças,
medo, vergonha, infortúnios e mortes.
O povo está em desespero... alguns morrendo...
A violência está solta e o povo está preso no infortúnio.
Gritamos, mas não temos socorro!
Mesmo o Senhor, meu Deus, querendo fazer diferença,
é necessário que o povo se irmane: um só pensamento, uma só direção...
O Brasil é iluminado, temos que unir forças.
Nós que temos motivos para ser o berço do mundo...

tão bela são nossas paisagens, tanta riqueza há aqui...
Nós nos orgulhamos tanto que
num esbravejar dizemos
de forma soberba que Deus é brasileiro...

tamanha é a fartura, a riqueza dada por Vós.
Quero que também chorem por nós...

Somos violentados a cada dia, sem respaldo.
Não ouvem nossos gritos?
Violência, ausência da dignidade merecida aos idosos,

tranqüilidade às crianças, direito de trabalho à população,
direito à cultura, justiça, saúde e a certeza
de comida à mesa.
Ao contrário, não temos retorno...
só temos a Vós como refúgio...
Às vezes, alienados, damos
a nós o direito de esquecermos a fé...
Aqui a catástrofe também é grande, Senhor!
Apenas se esquecem as pessoas,

perdidas em meio a propagandas, futebol, carnaval,
mensagens calorosas de ajuda pela televisão...
O povo se agarra a isso e se perde,
ouvindo apenas falácias.

O povo está perdendo seus sonhos de liberdade, Senhor!
E é isso que nos dignifica!
Injustiça, incerteza, horizonte sem linha...
O Brasil precisa de inteligência e
moralidade para caminhar!
No governo precisamos de homens intelectual,

moral e espiritualmente evoluídos.
Assim haveria harmonia, pois a moralidade
sozinha, isolada, é incapaz.
Sem esse caminhar, o desequilíbrio é total.
"Evolução material, intelectual,

e evolução-espiritual-moral priorizada!"
Assim vivemos... E ninguém deve chorar por nós?

Calo-me como eles, Senhor?
Choro, sim, por nossos irmãos de longe em agonia...

Reconheço que devo orar,
Senhor, e oro.

Mas a dor da degradação do Brasil está crescendo, Senhor!
Com a mesma facilidade que as fazem, eles se esquecem delas!
Muitos nem a vós procuram mais...
estão perdendo a fé...
Estou sofrendo muito, Senhor!
Estamos sofrendo também
e esquecendo-nos de nós mesmos...
orando para os de longe, tão bom é o povo brasileiro...
Mas esse povo não sabe lutar,
não sabe querer, escolher,
correr atrás do que é nosso por direito.
Calo-me, deixo de lado minha presença de espírito,

tão necessária para reinventar o mundo...
deixando de lado minha vontade
de continuar tentando o sublime objetivo

de uma existência de acordo com nosso merecimento?
Minha capacidade mental não me permite aceitar
o porquê de nos conformarmos com uma paródia de realidade,

quando conhecemos claramente a verdadeira.
Estou longe de uma convivência
pacífica com a realidade do meu Brasil.
Preciso refletir, Senhor!
Não aceito a nossa realidade...
por isso quero que também os outros
chorem por nós... orem por nós...
por nosso Brasil caótico, de governo ardiloso.

Senhor, dê-nos a chance de um recomeço!
Ajude-nos, Senhor, revelando-nos seus mistérios...

Em súplica pela paz.

Lídia Valéria Peres


"Dar exemplo não é a melhor maneira 
de influenciar os outros: é a única."
Albert Schweitzer



terça-feira, 27 de outubro de 2009

Fada de mim

Escrevo com a certeza de que sonhos de pessoas como eu foram interrompidos.

Seja um pouco "fada de você" para relembrar feliz até momentos conflitantes. Pense nisso...

Quem não amou não viveu. Lembrar o que dentro de nosso coração não morreu... Doce nostalgia... porém, nos traz alegrias. Tentamos às vezes sermos super-heróis para resgatar o que queremos viver mais uma vez no presente. O tempo passou, a idade chegou, e a vida continua querendo sonhar não apenas olhando em fotos, mas também com o que ficou e ainda está em foco em nosso coração.

Loucura? Para mim, apenas um doce devaneio por inteiro, uma viagem que dá um efeito profundo em minha vida, resíduos de sonhos e de ilusão. 'Relembrar' é o Rótulo de minha vida.

Eu sonho, recordo e, quando acordo, estou pronta para um novo "flashback". E você?



Fada de mim

A Lua estava triste, eu chorosa,
sonhando ter o arco-íris em minhas mãos.
Doce magia... soluços mansos
entre os 'cristais' que brotam e rolam em minha face.
Lembro-me do primeiro beijo, abençoado dia.
Foi tudo como eu queria...
Hoje essas lembranças se repetem em minha mente
e têm força de atração poderosa, o desejo de relembrar
a coisa desejada de um modo que me emociona.
Não sabia que sofreria com essa fantasia
pelo remorso do fruto desse sonho meu.
Embriago-me no perfume da dor do desenlace
ferindo o coração com o amor que meu peito acolheu.
Resíduos de meus pensamentos e atos passados.
Em devaneios, dou ordens ao Universo do que eu quero
e ele me traz de volta... eu sorrio ou choro.
Um tipo de 'alquimia' para trazer-me o tempo
e fazer viva a chama desse meu passado, onde me enlaço
no tempo e percebo, decifrando detalhes,
que, mesmo juntos, estávamos sós.
Quando me aparece em sonhos de vulto ensolarado,
trazendo-me o sorriso perdido no passado,
sinto-me uma fada me fazendo gostos de menina mimada.
No bailar do meu sonho, feliz, nossas mãos entrelaçadas
transformam-se em buquês de rosas perfumadas.
Sonho ter em minhas mãos o arco-íris
e continuar em meus sonhos me fazendo fada,
para sentir-me eternamente e docemente amada.

Amada... mesmo docemente camuflada.  

Lídia Valéria 
Virando as páginas da vida, permanecendo
de alma apaixonada, sentimo-nos mais doces,
eternizando sentimentos,
dando colorido a nossa mente.
Lídia Valéria


 

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Reminiscências



Relembrar... Sentimentos às vezes adormecidos. Buscar tesouros escondidos latentes em sua mente, onde, para entrar, só a você ela consente. É um passeio dentro de si mesmo... 

Com o passar do tempo, ganhamos idade e podemos reagir a isso nos lamentando, com resignação ou não. Relembrar, para mim, é celebrar tudo o que passou com a sabedoria que só a experiência traz. Momentos poéticos, reflexivos e até divertidos, de acordo com nossos sentimentos e inspirações, não importando a idade em que nos encontramos  ao relembrar. Aproveitando os 'frutos' da idade, seja ela qual for,  devemos  amar, nos lançarmos a novos desafios, e viver plenamente.

Para conservarmos nossa jovialidade é necessário sonhar, admirar e amar, com os pés no chão, mas amar.

Que tal ser como uma bola de neve? "Quanto mais avançar, mais crescerá."

Experimente.



Reminiscências
 

Respiro fundo e penso em meu passado.
Bem vivido ou mal vivido, muito bem lembrado.
Recordo-me quando, no silêncio das noites, na madrugada,
recebia ternura, abraços, enlaçada...
corações em sintonia, mãos entrelaçadas,
despertando as emoções.
Faces rubras, momentos divinos
envolvidos de ardor alucinante,
sem pensar no tempo...
proferindo sonhos e palavras de amor.
A força do amor, força do enlevo
amor sem limites nos unindo mais...
Amava... e  fazia bem a meu coração; 
amando a vida, tentando ser feliz.
O tempo passa... o coração enrijecido,
nada pode ser esquecido:
cada minuto, cada beijo, abraço e palavras.
Momentos felizes de amor e ternura
não bloqueando a obstinação de ventura...
A vida não é ciência, é arte,
e que de amor a vida nos farte
de momentos felizes, prelúcidos de ternura. 
O tempo passa... 
Lembranças de neurônios aquecidos,
amor vivido que não volta mais...
Palavras sentidas que só quem amou
pode falar...
"Houve frutos, valeram as flores;
houve flores, folhas e frutos,
valeu a sombra.
Valeu a intenção das sementes!"
No momento... relembrar.
Que não me falte a messe agora
e ficar feliz no meu caminho certo,
em plena convicção,
no meu estágio superior de amor
mais sereno e seguro,
na convivência com meus filhos,
na paz honrosa do meu lar!

Eu perdi... mas parece que venci.


Lídia Valéria 

Se tentou investir no amor e falhou, 
não deixe de tentar novamente.
Falhe  novamente... falhe mais, 
falhe agora com mais sabedoria.
Só se vive uma vez.

Lídia Valéria

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Quem sou eu?... Um pouco de mim, um pouco de nós



Às vezes nos perdemos e, mesmo olhando no espelho, há um confronto. O mundo faz com que busquemos respostas, o que nem sempre conseguimos. Você mesmo escolhe de acordo como se posiciona em sua vida. Tudo depende de nós, do lado que tomamos, e, na encruzilhada da vida, só nós podemos decidir a estrada a tomar. Sabemos a quantidade de luz que temos e qual é a quantidade que necessitamos. 


Perder-se é como deter a força das águas. Um dia a represa estoura, as idéias negativas e a tristeza trazem pressão à nossa mente... e termina a nossa paz. Por ela você descobre os segredos guardados no recôndito do seu ser e de sua consciência e encontra a si mesmo. Pode, assim, até ajudar pessoas a conquistarem a alegria e a harmonia da vida. Dentro de nós,  encontra-se um lugar fechado, íntimo, inextinguível, só seu, que lhe serve de abrigo. Esse lugar o deixa acreditar-se em liberdade. 


Todo o seu corpo está subordinado à sua mente, que é poderosa. Seus sentidos o obedecem e o influenciam. Contudo, tudo em você é espiritual, como sua inteligência e seus dons. Tenha mente firme, não vacile. Alegre-se com tudo e agradeça.

Combinei minha parte espiritual com a material e conquistei minha felicidade. 
Pense nisso...



Quem sou eu?

Sou um coração silencioso
que emite emoções ao vento,
e escreve sentimentos no papel...
Quem me lê entende?
Quem me ouve, percebe a exatidão
de minha solidão?
Minha emoção é meu som,
minha voz morreu em meus sonhos,
em minhas fantasias.
Meu carinho está no vento,
minhas lágrimas no papel,
meus sonhos na solidão,
meu som no eco do tempo. 
Minhas fantasias, doces bailarinas
que dançam nas nuvens
procurando sobreviver  
ao ritmo de minhas lágrimas cristalinas.
Esperam a chuva para florescer
no amor, um dia... 
Utopia.

Lídia Valéria 

E de repente, você se encontra...
Percebe que sua auto-estima nunca será a mesma 
depois de encontrar fatos relevantes, que, mesmo
parecendo loucura, era a forma de estar vivo. 
Lídia Valéria



segunda-feira, 12 de outubro de 2009

No meu aniversário, uma homenagem de meu filho


No meu aniversário, o que mais gosto é o aconchego de meus filhos. Um dia agradável, sempre tranqüilo, e eu sempre devaneio. Penso em meus sonhos realizados e faço sempre uma oração a Deus, de coração agradecido, por me conceder o privilégio de trazer ao mundo dois seres abençoados para completar minha vida: — "Meus dois filhos, meus dois amores."

Bom conviver com eles e curtir a magia de ser mãe. Trouxeram a força do bem, da alegria e da esperança em meus dias. Pontos de referência, segurança e luz em minha vida. Com eles vivo como que 'dentro de um arco-íris', tanto é o colorido que põem em minha vida.

Sabem, com um sorriso, um olhar, dizer que me amam. Olho para eles e eles também se sentem amados.

Passamos por barreiras, mas conseguimos, juntos, ultrapassá-las. Assim vivemos, de mãos dadas... Não soltamos nossas mãos.

Tenho o meu coração agradecido por merecer essa paz.

Abaixo, uma homenagem de meu filho no meu aniversário, dando, na forma de palavras de sentimento, um 'acróstico', que não deixa de ser um poema. Neste acróstico, para mim, tem magia.
Obrigada, filho, Meu Porto Seguro.



16 de setembro, no seu aniversário... 
Tim-Tim!


Louvo o dia em que ela nasceu.
Incrível filha, esposa, mãe, amiga... (Falta-lhe ter um neto. — ops!...)
Dezesseis de setembro: o dia em que o mundo ganhou uma das mais belas estrelas.
Idolo dos filhos e dos alunos que tiveram o privilégio de estudar com ela.
Ama como poucos neste mundo.
Veio para cumprir missões muito especiais.
Amar e educar os filhos foi a missão essencial.
Linda é sua vida honrada,
Especial é a honra de conviver neste mundo com ela.
Rezo para agradecer.
Intimidade com ela é tesouro incalculável.
Antes de nascer, eu e minha irmã pedimos uma boa mãe na Terra.
Parece que tínhamos muitos créditos no céu:
Escolheram para nós um anjo.
Rosas coloco em seu caminho neste 16 de setembro.
Elas exalam como perfume o aroma de sua vida honrada.
SMACK! — Um beijo em sua bochecha sempre tão beijada.

Glauco (filho)


Não preciso dizer que meu coração está batendo
mais forte neste momento.
Alguém duvida?


Lídia Valéria

sábado, 3 de outubro de 2009

Vôo para a razão


Desenvolver a capacidade de avaliar e selecionar 'o que podemos' e 'o que devemos fazer' ajuda nosso equilíbrio e nossa maturidade emocional.

Somos aqui na Terra viajantes temporários e devemos exercitar nossa independência, o que não destrói laços do amor verdadeiro, porque muito antes temos latentes laços afetivos de alma. Contudo, ficamos suscetíveis ao mundo e, conseqüentemente, somos atacados, machucados e ofendidos.

Devemos levar em conta a individualidade de cada membro familiar ou de um amigo e respeitá-los sem submissões pelo modo peculiar que encontraram de ser felizes e dirigir a própria vida. Cada um aprende com suas próprias experiências.

Já estive em desarranjos com a família porque gerei capacidade de resolver meus problemas peculiares no avanço de minha vida, enquanto outras pessoas, na mesma fase, inseguras, perfeitamente habilitadas, me encaravam como mimada, soberba e dona da verdade.

Aprendi com a vida a focalizar intensamente a essência das coisas.
Sensibilidade é patrimônio do espírito, e devo ter senso de realidade para penetrar em 'idéias novas', por isso pessoas ligadas a mim não compreendem meus horizontes ilimitados de receber o novo.


Estou sempre pronta para crescer, por isso venci muitos obstáculos, eis a questão.
Pense nisso...


Vôo para a razão

Sentia-me presa em uma redoma... sem ar. Perdida, sozinha, sem prumo, mesmo com a imensidão do mar. Surgiu-me a visão do que havia latente em mim e deixei fluir. Latente estava a minha força, a minha fé, então, aí estava a razão.

Acredito que Ele estava ao meu lado e não me deixava desacreditar em meus sonhos, e alterava tudo o que estava por vir de ruim para mim.

Ouvia tudo o que Ele dizia, aconselhava. Minhas inspirações eram Ele quem me dava. Minhas grandes idéias... O que seria de mim sem sentir o Seu toque... livrando-me de lugares, situações e até de pessoas que trincariam a minha paz? Acho que Ele desaprovava minha teimosia, mas sentia que admirava minha perseverança quando desafiei o mundo, rompendo barreiras, dores e até desilusões.

Velou minha casa e até me carregou no colo, mesmo que alguém desacredite. Quantas foram as desavenças... e Ele me protegeu. Sempre me guiou, e com segurança segui meus sonhos... por isso estou aqui, assim, segura e desprovida de temores, com meus filhos, meus dois amores...

Por quantas vezes Ele me estendeu as mãos, segurou, apertou, e meu coração sentiu-se mais forte com esse acalanto, e não mais embalei-me em prantos. Já culpei pessoas por se apossarem de fatias de minha felicidade, mas agora isso faz parte do meu passado, porque, no avanço de minha idade, Ele fez-me compreender, voltar a sorrir e ver que a vida é o maior espetáculo da Terra. Quem me intimida?

O que é importante não muda... a minha força e convicção não têm idade... e eu não tenho idade, tenho vida. Não viverei de fotografias amareladas... Continuarei, quando todos esperam que eu desista.

Quando assumi a postura de vítima no mundo, Ele fez-me acreditar em minha capacidade e me fez voar, sem desacreditar em mim, fazendo-me usufruir a minha mente, tesouro que tenho a bendizer e conservar...

Assim pude voar...

No refúgio de minhas orações, Ele segura minhas mãos e acredita que tenho o coração agradecido por tudo o que consegui. Estou sempre em sintonia com Deus Criador do Universo, e, de acordo com meus pensamentos, forma de vida, ações, Ele me ilumina, determina sussurrando em meus ouvidos:

— Voe!...

E eu vôo!...


Lídia Valéria


Viver ignorando o significadao dos nossos atos e
impulsos é desvalorizar o nosso processo evolutivo,
passando pela vida sem viver.
Lídia Valéria

sábado, 26 de setembro de 2009

Meu jardim, meu acalanto... Um pouco de mim


Nada melhor que um lugar tranqüilo para relaxar e dar fim ao estresse. Muitas vezes optamos por cinema, por encontrar amigos, receber amigos, ir à casa de um amigo, a uma balada...

Procuramos 'sair' de casa, da rotina, e buscar. Faço isso, o que é natural... Contudo, dou preferência, muitas vezes, para ficar absorvendo a paz que meu jardim oferece. Tenho a felicidade de ter um grande jardim.

Nada melhor que ver o verde, as flores, uma paisagem que faz parte de minha vida. Uma verdadeira terapia. A natureza sempre se prepara para oferecer grande tranqüilidade para o espírito. Por maior que seja a 'tempestade', continua o equilíbrio... Um pouco de silêncio muitas vezes é benéfico. Faz-me conseguir respostas para as perguntas que atiçam meu espírito; um prazer que me traz de volta à realidade com mais harmoniosidade.

Meu jardim traz um pouco mais de graça à minha vida. Ali, eu e meus filhos nos reunimos e conversamos.
A sutileza da natureza consegue me afagar... para mim, um acalanto.

Abaixo, partes do meu jardim.


Meu jardim, meu acalanto

Meu jardim... Onde atenuo meus temores...
que de repente tornam-se flores...
Onde os pássaros passam... e me encantam.
Ecoam um belo canto que quase me leva ao pranto,
mas suavemente divago, me entrego ao enlevo, à vida...
e, em seguida... me sinto feliz.
Neste lugar de ar tão puro, quase me transfiguro,
lembro-me de minha infância, tão pura,
sem necessidade de me preocupar com felicidade,
porque a felicidade já estava ali.
Nesse chão tão verdinho, olho para o céu, parece pertinho...
As horas vão passando, chega a noite...
Vejo as estrelas, o luar, o vento...
Oh! Deus! Obrigada por esse alento de sentir-me assim,
purificada, agradecendo, por eu ser tão feliz!
Que bênção! Que vida tão boa!
Agora é do meu coração que entoa
um canto mágico mostrando a todos
a felicidade, minha maturidade, liberdade...
e podendo agradecer a Deus
eu ser assim tão feliz!
No meu jardim, esse cantinho,
sinto-me acolhida...
A felicidade não me é ausente,
esse brilho mágico latente, com certeza um presente,
que acolho com carinho...
Vem de Deus!

Lídia Valéria

Algumas das flores do meu jardim...
e muitos pássaros que voam por aqui,
harmonizando o meu espírito com seu canto.

Para enriquecer um pouco mais o meu jardim,
nossa amada cadela pastor alemão — 'Jeannie'



Aproveitando cada momento pela simplicidade, você
terá o suficiente para viver a vida em sua plenitude,
e, o que você não tiver, refugie-se na esperança e creia.
Lídia Valéria
Real Time Web Analytics